União Nacional para a Independência Total de Angola

A UNITA, acrónimo de União Nacional para a Independência Total de Angola é um partido angolano, fundado em 1966, por dissidentes da FNLA e do GRAE — Governo de Resistência de Angola no Exílio, de que Jonas Savimbi, fundador da UNITA, era ministro das relações exteriores. Alguns historiadores alegam que Jonas Savimbi criou a UNITA depois da sua tentativa fracassada de assumir a co-presidência do GRAE. Os primeiros passos da UNITA vão sobretudo procurar apoiar-se na etnia maioritária a qual Jonas Savimbi pertence: os Ovimbundos. A UNITA vai travar operações de guerrilha no Leste do então território colonial. Depois da independência angolana em 1975, a Guerra Fria serve de plataforma para uma retórica afro-populista de Jonas Savimbi que apresenta o seu partido como a grande alternativa ao MPLA, sendo este o verdadeiro partido que salvaguarda os interesses dos que amam Angola. O carismático líder da UNITA consegue assim apoios em todo o continente africano e no mundo. Apoiado em logística pelo governo do apartheid sul-africano e pela CIA, a UNITA consegue custear o seu esforço de guerra graças as subvenções do governo norte-americano, até a assinatura dos primeiros acordos de paz em 1991. Depois de ter estado próximo da vitória pelas armas, em 1991, Savimbi desacredita-se quando refuta os resultados das eleições de Setembro de 1992, visto que, alegava, ter havido desvio de, mais de 400, urnas vindas de zonas de apoiantes da UNITA, relançando, então, a guerra em todo o território nacional. Esta seria a última tentativa do "Galo Negro" para unir os angolanos: em Fevereiro de 2002, Savimbi é morto na província do Moxico. Após a sua morte, a UNITA tornou-se num partido civil e abandonou a luta armada.

domingo, 31 de Outubro de 2010

A morte do presidente da UNITA, Dr. Jonas Malheiro Savimbi.

Como todos sabemos, e como também já escrevi, o saudoso morto presidente da UNITA, lutou contra o MPLA até à sua morte. Não lutava contra um governo, porque nem ele, nem 70% dos Angolanos não votaram na escolha desse governo, e, como tal, era um governo, visto pelos angolanos, como ilegítimo. Foi por este motivo que a UNITA, depois de ter vencido o colonialismo, foi esforçado a levar a cabo cerca de 30 anos de guerra fratricida a fim de defender que a sua pátria querida não caísse na mão de novos colonizadores, como China, Brasil e até Portugal, que apoiados pelo José Eduardo dos Santos, família e capangas, exturquem riquezas de Angola como nunca durante o Colonialismo foi extorquida e o povo vivendo numa miséria profunda.
O Dr. Savimbi era um cidadão que lutou toda a sua vida em busca da igualdade para o povo angolano. Não foi morto pelos Angolanos! Foi morto pelos lacaios do imperialismo internacional! Os que o mataram não eram angolanos e como tal não vivem em defesa dos interesses dos Angolanos.
Sem escrúpulos, mataram-no e escandalosamente, mostraram imagens de vários ângulos de seu cadáver como se de um animal se tratasse. Foi um escândalo! Não se trata um ser humano daquela forma! Depois de já estar morto, aproximaram-se do cadáver, espetando-lhe com mais uns tiros e pontapearam-no! Os anti-angolanos que o fizeram, são terroristas que, não só tiveram coragem de o matar, em vez de o capturarem, como também já haviam morto vários simpatizantes daquele movimento do galo negro.
Estes homens, que chacinaram os que lutavam pela igualdade do seu povo, deveriam serem julgados no tribunal internacional dos direitos humanos.
De que valeu o povo angolano sacrificarem a sua vida para acabarem com o colonialismo português? Homens, mulheres e crianças morreram no tempo colonial mas era em defesa da sua terra, em defesa de igualdade social. Mas uma coisa é certa… muito mais gente foi morta pelos lacaios do imperialismo depois da independência, do que durante todo o tempo colonial.
Hoje, os que são verdadeiramente angolanos, os que perderam e se desagregaram de suas famílias devido á guerra, vivem numa miséria profundo para que José Eduardo dos Santos, lacaio do imperialismo internacional, sua filha e capangas vivam em grande nível de vida sendo eles os donos de parte da riqueza extorquida em Angola, porque outra parte é extorquida por empresas estrangeiras.
Povo Angolano… como presidente de um partido que lutou pela igualdade dos angolanos só ouve um! Foi o Dr. Savimbi, ele amava a sua terra e o seu povo! Ele não morreu! Ele vai estar sempre na memória dos Angolanos! Não na memória dos estrangeiros ZÈDU e COMPANHIA.
O Sol quando nasce é para todos…








Na bandeira, a cor vermelha representa o "sangue dos angolanos", o verde representa “Esperança”, o sol representa “Quando nasce é para todos” e o galo “Quando canta é para despertar”! Por isso sigam os dizeres da bandeira! Despertem! Abram os olhos! Não se deixem enganar! “O nosso galo canta”!!!


Savimbi… sempre!
Angola… sempre!
KWACHA Angola, KWACHA UNITA

Sem comentários:

Enviar um comentário